Bolsa de Valores de Mocambique
ARKO SEGUROS 1,000.00
HCB 5,00
CDM 146.25
CMH 2,148.48
CETA 120,00
EMOSE 12,00
ZERO 20,00
TOUCH 100.00
ARCO INVESTIMENTOS 100.00
OT 2005 S2 8.00%
Visabeira 2015 20.25%
OT 2015 S6 10.50%
STB 2015 Sub S1 20.75%
STB 2015 Sub S2 20.25%
STB 2015 Sub. S3 21.75%
BNI 2016 S1 13.50%
Bayport 2016 S1 25.00%
Bayport 2016 S2 25.50%
OT 2016 S1 11.00%
OT 2016 S2 12.75%
OT 2016 S3 15.255%
OT 2017 S1 15.625%
OT 2017 S2 13.625%
OT 2017 S3 15.00%
OT 2017 S4 14.125%
OT 2017 S5 14.5625%
OT 2017 S6 18.25%
OT 2017 S7 18.25%
CM 2017 18.375%
Bayport 2017 S1 23.00%
OT 2018 S1 13.6878%
OT 2018 S2 13.75%
OT 2018 S3 13.6875%
OT 2018 S4 10.00%
OT 2018 S5 16.00%
OT 2018 S6 16.00%
OT 2018 S7 13.75%
OT 2018 S8 13.75%
OT 2018 S9 13.75%
OT 2018 S10 13.625%
OT 2018 S11 13.625%
OT 2018 S12 16.00%
OT 2019 S2 14.00%
OT 2019 S3 14.00%
Opportunity Bank 2018 S1 17.75%
Opportunity Bank 2018 S2 21.50%
BAYPORT 2018 S1 20.78%
BAYPORT 2018 S2 22.00%
P. Comercial Opportunity Bank 2018 S1 20.75%
OT 2019 S4 14.00%

A Bolsa de Valores de Moçambique (BVM) em parceria com o Standard Bank, organizou no dia 17 de Maio, em Maputo.

Um Workshop sobre o Mercado de Capitais. A iniciativa tinha como objectivo promover junto dos seus clientes esta fonte alternativa de financiamento e diversificação da poupança.

Tratou-se de uma iniciativa complementar dos esforços que têm sido empreendidos pela Bolsa de Valores de Moçambique na promoção do mercado de capitais no País, que ainda é incipiente.

A organização do evento resulta da constatação de que o mercado de capitais moçambicano ainda está aquém do desejável, pois muitos dos empresários não se financiam via Bolsa e os investidores não têm onde colocar as suas aplicações devido à falta de títulos no mercado bolsista.

Nesse sentido, e na qualidade de parceiro dos seus clientes e com experiência na estruturação deste tipo de operações, o Standard Bank julgou pertinente aconselhá-los a procurar outras fontes alternativas de financiamento, e que ofereçam segurança, nomeadamente o mercado de capitais.

Para o Presidente do Conselho de Administração da BVM, Salim Valá, a iniciativa do Standard Bank vai ajudar a galvanizar o mercado de capitais, tornando-o mais dinâmico e fonte preferencial de financiamento para as empresas nacionais.

Conforme explicou Salim Valá, o nível de capitalização bolsista ainda é baixo (cerca de nove por cento do PIB-Produto Interno Bruto) havendo, por isso, necessidade de reverter este cenário. Afirmou ainda que, nos próximos 15 -20  anos o mercado de capitais pode ser a principal fonte de financiamento das empresas, pois os requisitos para admissão não são “um bicho de sete cabeças” como muitas vezes se pensa.

“Queremos incrementar significativamente o nível de capitalização bolsista, e a nossa perspectiva é que até 2022 atinjamos os 21%. Temos, actualmente, oito empresas cotadas na bolsa e esperamos subir para 10 até ao fim deste ano. Em suma, queremos aumentar o volume de negócios, a liquidez no mercado, bem como o número de títulos cotados na bolsa.” Tudo está sendo feito para que no futuro, a BVM seja o efectivo termómetro que mensura o ambiente de negócio e as tendências da economia em Moçambique, Enfatizou o Presidente do Conselho de Administração da BVM.

 “Há inúmeras vantagens no recurso ao mercado de capitais como fonte de financiamento. Estar cotado na Bolsa de Valores de Moçambique ajuda a criar visibilidade no mercado, valorização potencial das acções, melhor taxa de juro nos empréstimos obrigacionistas e valorização da empresa em resultado da confiança do mercado e dos investidores, que passa a ser vista como uma empresa transparente e que respeita os princípios de governação corporativa”, explicou Fernando de Oliveira, gestor da Banca de Investimento do Standard Bank.

 Durante o evento, a Bayport Moçambique, uma instituição que concede crédito para funcionários públicos e que actua no mercado nacional desde 2012, partilhou a sua experiência no financiamento através da Bolsa de Valores de Moçambique, cuja operação foi estruturada pelo Standard Bank.

“É uma ferramenta muito importante, que alarga as oportunidades de financiamento das empresas que pretendem impor-se no mercado ajudando, desse modo, a transformar a nossa economia. Recorremos à BVM para assegurarmos o nosso crescimento e continuarmos a alargar a nossa inserção no País, tendo o Standard Bank desempenhado um papel importante na operação, inclusive nos aspectos legais”, disse o Director-Geral da Bayport Moçambique, Michael Mocke, para quem as empresas devem tirar proveito das vantagens do financiamento através do mercado de capitais.

A Bayport Moçambique entrou no mercado de capitais em 2016 e já emitiu um total de cinco obrigações totalizando mais de 1.5 Bilhões de Meticais, tendo recebido o prémio de “Melhor Obrigação do Ano em Moeda Local’’, referente a 2018, atribuído pela GFC Media Group.

Fotos do Eventos



Video do Evento