Bolsa de Valores de Mocambique
ARCO 100.00
ARKO SEGUROS 1.250,00
CDM 33,75
CETA 120,00
CMH 2.500,00
EMOSE 20,00
HCB 2,10
REVIMO 12,750.00
TOUCH 100.00
ZERO 20,00
2BUSINESS 1,00
BAYPORT 2019 Série I 20.0000%
BAYPORT 2019 Série II 19.0000%
BAYPORT 2020 Série I 16.0000%
BAYPORT 2020 Série II 19,4000%
BAYPORT 2021 Série I 18,0000%
BAYPORT 2021 Série II 18,0000%
BAYPORT 2021 Série III 18,0000%
BAYPORT 2021 Série IV 18,0000%
BNI 2019 S1 16.0000%
CM 2017 19,0000%
OT 2005 S2 8.0000%
OT 2017 S6 16,9375%
OT 2017 S7 16.9375%
OT 2018 S10 14.8750%
OT 2018 S11 14.9375%
OT 2018 S12 14,9375%
OT 2019 S2 14.9375%
OT 2019 S3 14.9375%
OT 2019 S4 14,9375%
OT 2019 S5 14.9375%
OT 2019 S6 14,8750%
OT 2019 S7 15,3750%
OT 2019 S8 10,0000%
OT 2019 S9 12.0000%
OT Fornecedores 2019 4,0625%
OT 2020 S1 14.9375%
OT 2020 S2 14.9375%
OT 2020 S3 14,9375%
OT 2020 S4 14,9375%
OT 2020 S6 10.0000%
OT 2020 S5 14, 8750%
OT 2020 S7 14,9375%
OT 2020 S8 14,9375%
OT 2020 S9 14,9375%
OT 2020 S10 14.9375%
OT 2020 S11 3,8125%
OT 2021 S1 10.0000%
OT 2021 S2 13.0000%
OT 2021 S3 14,000%
OT 2021 S4 14,0000%
OT 2021 S5 14,2500%
OT 2021 S6 14,2500%
OT 2021 S8 14,0000%
OT 2021 S7 14,2500%
Foi lançado, no dia 28 de Junho de 2021 (2ª feira), as 16H:30, nas Instalações do BCI Private, em Maputo , o sétimo livro de Salim Cripton Valá, intitulado “Economia Globalizada & Paradoxos de Desenvolvimento: Reflexões Inconclusivas”, um livro com 373 páginas e com a chancela da Escolar Editora.

A população mundial continua a aumentar rapidamente, estimando-se que na década 2040 existirão 9 mil milhões de almas. Esses milhares de milhões de pessoas procuram ocupar o seu lugar numa economia mundial cada vez mais ligada através do comércio, finanças, tecnologias, fluxos de produção, migração e redes sociais. A vasta economia global está a crescer rapidamente, com extrema desigualdade na distribuição dos rendimentos, num paradoxo marcado por riqueza fabulosa e pobreza extrema. Para os mais pobres dos pobres, enfrentar os desafios diários da nutrição insuficiente, ausência de cuidados de saúde, alojamentos inseguros e falta de água potável e saneamento é uma questão de vida ou de morte.

Muito dos países mais pobres do mundo, que se localizam em África, América Latina e Sudeste Asiático, foram “pressionados” a adoptar políticas de mercado livre para assim poderem obter dinheiro emprestado pelas organizações financeiras internacionais e os governos dos países ricos. A fragilidade institucional de muitos dos países em desenvolvimento tem propiciado a implementação mecânica das políticas de mercado livre, mesmo se elas não beneficiam directamente a maior parte da população dos países, ou seja, fazem perpetuar a pobreza, não geram empregos, nem reduzem as desigualdades sociais. O mais grave é que as pessoas que mais necessitam de ajudas são aquelas que são pedidas para “apertar o cinto”.

O debate dialéctico entre a economia globalizada e o verdadeiro significado do desenvolvimento tem estado a pender a favor da primeira variável, devido a sua força, influência e ubiquidade. A globalização teve notórias externalidades positivas, tirou muitas pessoas da pobreza, mas persistem muitos paradoxos de desenvolvimento, muitas respostas não dadas, muitas incertezas, riscos e fenómenos imprevisíveis e improváveis, como a COVID-19, que desafiam a nossa imaginação, e deixam arrasados as famílias pobres e atolados os governos dos países pobres.

Essa dicotomia entre uma globalização beneficiando poucos e uma pobreza afectando muitos, está provocando uma crise paradigmática na economia de desenvolvimento e a demandar uma nova base teórica e ferramentas analíticas para enxergar nitidamente a lógica e essência do movimento das placas tectónicas do Ocidente para o Oriente, da Europa Ocidental e América do Norte para a Ásia, como que a anunciar a derrocada do “Consenso de Washington” e a emergência de uma nova ordem económica internacional. Muitas incertezas pairam no ar, e não temos um quadro de referência que ajude a interpretar o actual contexto económico global, repleto de adversidades, riscos e incertezas.

Os programas e iniciativas de ajustamento estrutural, desenvolvimento induzido e combate à pobreza não só não lograram reduzir a dependência externa e o endividamento, nem reforçar a capacidade institucional, diminuir o défice público e equilibrar a balança comercial, muito menos melhoraram a qualidade dos serviços essenciais, promoveram crescimento económico inclusivo, combateram a corrupção e melhoraram a governação. Ou as políticas preconizadas estavam equivocadas ou a forma como foram implementadas deixou muito a desejar, e pelo número de países que não conseguiram fugir da armadilha da pobreza e da privação, é forçoso reconhecer que as “receitas prescritivas” carimbadas no quadro do “Consenso de Washington” não trouxeram, globalmente, resultados positivos.

Há autores, como Carlos Lopes (2020), que advogam que impulsionar a produtividade agrícola continua a ser “a mais evidente porta de entrada para obter a tão desejada transformação estrutural” do continente africano, enfatizando que a aliança entre a agricultura e a industrialização tem como base a necessidade de modernizar e formalizar os sistemas económicos. Na mesma linha de pensamento se posiciona Chang (2014), que refuta o mito de que vivemos numa era pós-industrial, mesmo nos países desenvolvidos como Suíça, Japão, Finlândia, Singapura e Suécia. Nos países em desenvolvimento como Moçambique, é utópico pensar que se possa contornar a industrialização e prosperar com base nos serviços, na economia do conhecimento ou somente no sector agrário.

Na verdade, a maior parte dos serviços apresenta um crescimento lento da produtividade e a maior parte dos serviços com um crescimento elevado da produtividade não podem ser desenvolvidos sem a presença de um sector industrial forte.  A aposta na industrialização, a ser dinamizada inicialmente pelas matérias-primas provenientes do sector primário, é determinante não apenas para propulsionar a transformação estrutural, mas igualmente para garantir uma devida integração económica regional e aproveitar as múltiplas oportunidades abertas pela globalização económica.

Passados 456 anos de independência, Moçambique continua a lutar para o alcance da plena prosperidade económica, coesão social e estabilidade política, sendo ainda negativamente afectado pela volatilidade dos preços das mercadorias no mercado internacional, pelos choques externos como as crises económico-financeiras, eventos climáticos extremos, instabilidade  e conflitos e crises epidemiológicas como a COVID-19. Promover o desenvolvimento humano, tornar o vírus do empreendedorismo um fenómeno de massas, melhorar o ambiente de negócios, prestar melhores serviços aos cidadãos e implantar infraestruturas económicas mais sofisticadas e resilientes são objectivos económicos estratégicos no presente e para o futuro.
A trajectória a ser seguida implica fazer escolhas difíceis, encetar mudanças profundas na mobilização de receitas internas, acelerar a inclusão financeira e digital, promover a integração comercial, a concorrência e a competitividade, fomentar a transparência e a boa governação e ter estratégias mais resilientes aos choques externos. 
 
A globalização económica vai prosseguir, deixando uma nova pegada especial com o advento da COVID-19 e os seus efeitos. Países como Moçambique não tem como não se ressentir com a passagem deste novo vírus, mas o que vai perdurar por alguns anos são também os outros vírus, que convivem connosco desde a “longa noite colonial” até aos últimos 46 anos de emancipação política, que são a fome, pobreza, desemprego, baixo desenvolvimento humano e desigualdades sociais. Alterar esse cenário requer entender melhor o significado do desenvolvimento e a necessidade de repensar a doutrina de desenvolvimento económico até hoje seguida, potenciando a transformação estrutural da economia, a industrialização e o capital humano.
 

 Fotos do Evento