Bolsa de Valores de Mocambique
CDM 170,00
CMH 800,00
CETA 120,00
EMOSE 20,00
ZERO 20,00
OT-2005-S2 8.00%
BCI-2009-Sub 17.1875%
MOZA-BANCO-2013-Sub 14.50%
CPC-2014-S1 22.75%
CPC-2014-S2 22.25%
Visabeira-2015 23.50%
OT-2015-S1 10.00%
OT-2015-S2 10.00%
OT-2015-S3 10.00%
OT-2015-S4 10.125%
OT-2015-S5 10.50%
OT-2015-S6 10.50%
STB-2015-S1 25.00%
STB-2015-S2 23.50%
STB-2015-S3 22.50%
BNI-2016-S1 19.75%
BAYPORT-2016-S1 27.25%
BAYPORT-2016-S2 27.2500%
OT-2016-S1 11.00%
OT-2016-S2 12.75%
OT-2016-S3 19.1875%
OT-2017-S1 27.00%
OT-2017-S2 17.50%
OT-2017-S3 17.9374%
OT-2017-S4 27.50%
Millennium-BIM-2017 18.00%
OT 2017 S5 27.50%
OT-2017-S6 24.00%
OT 2017 S7 24.00%
CM 2017 27.00%
Opportunity Bank 2017 S1 21.50%
OT-2018-S1 19.00%
OT-2018-S2 10.00%
OT-2018-S3 10.00%
OT-2018-S4 10.00%
Opportunity Bank 2018 S1 22.00%

A Bolsa de Valores de Moçambique (BVM) em parceria com a FSDmoc e Sindicato Nacional de Jornalistas, promoveu de 30 à 31 de Maio corrente, em Maputo, uma formação sobre o “Mercado de Capitais e BVM”, direccionada a jornalistas. 

A capacitação enquadrou-se no âmbito do Programa de Educação Financeira da BVM, que é um instrumento de operacionalização da Estratégia Nacional de Inclusão Financeira 2016-2022, onde a promoção da literacia financeira é uma componente determinante para assegurar a implementação dos objectivos de inclusão financeira no País.

Na abertura do evento, o PCA da BVM, Salim Valá, reiterou o papel de jornalistas na disseminação de informação sobre o mercado de capitais, e apontou que encara a formação da classe de profissionais de comunicação social como uma acção com efeito multiplicador, uma vez que os jornalistas vão adquirir ferramentas para sistematizar, descrever, analisar e interpretar o funcionamento do mercado de capitais e a BVM, possibilitando o alcance de um grupo-alvo mais amplo que inclui, para além dos jornalistas, os empresários, contabilistas e auditores, potenciais investidores, estudantes, médicos, advogados, engenheiros, entre outros grupos sociais.

Salim Valá, aproveitou a ocasião para instar à todos os moçambicanos a usaram os serviços e produtos que o Mercado de Capitais dispõe, e enfatizou que todos os moçambicanos que fazem poupanças podem usar a BVM como mecanismo de investimento e capitalização.  

Por seu turno, a Conselheira de Políticas da FSDmoc, Esselina Macome, falou da importância de uma sociedade financeiramente inclusiva e com acesso aos serviços financeiros, tendo ilustrado a situação actual da inclusão financeira no país, os principais desafios e explicou como o uso das tecnologias de informação e comunicação podem ampliar o impacto no país.

Na formação, os jornalistas foram dotados de conhecimentos sobre o Mercado de Capitais e alternativas de financiamento e investimento, os requisitos de admissão a cotação, bem como o funcionamento da Central de Valores Mobiliários.

Participaram no evento mais de 30 jornalistas dos órgãos de comunicação social sediados em Maputo e, no final da capacitação, mostraram-se disponíveis em apoiar a instituição na disseminação de informação do mercado bolsista por forma a concorrer para massificação e popularização do Mercado de Capitais e da BVM.

Fotos do Evento