Bolsa de Valores de Mocambique
CDM 201,00
CMH 800,00
CETA 120,00
EMOSE 20,00
ZERO 20,00
OT 2005 S2 8.00%
BCI 2009 Sub 16.5625%
Moza Banco 2013 Sub 14.50%
CPC 2014 S1 22.75%
CPC 2014 S2 22.25%
Visabeira 2015 23.50%
OT 2015 S4 10.125%
OT 2015 S5 10.50%
OT 2015 S6 10.50%
STB 2015 S1 22.50%
STB 2015 S2 22.50%
STB 2015 S3 22.50%
BNI 2016 S1 18.75%
Bayport 2016 S1 27.25%
Bayport 2016 S2 27.2500%
OT 2016 S1 11.00%
OT 2016 S2 12.75%
OT 2016 S3 19.1875%
OT 2017 S1 17.875%
OT 2017 S2 17.50%
OT 2017 S3 17.9375%
OT 2017 S4 27.50%
OT 2017 S5 27.50%
OT 2017 S6 24.00%
OT 2017 S7 24.00%
CM 2017 27.00%
Millennium BIM 2017 18.00%
Opportunity Bank 2017 S1 21.50%
OT 2018 S1 19.00%
OT 2018 S2 10.00%
OT 2018 S3 10.00%
OT 2018 S4 10.00%
OT 2018 S5 16.00%
OT 2018 S6 16.00%
Opportunity Bank 2018 S1 22.00%
Bayport 2017 S1 21.50%
OT 2018 S7 16.00%

A Bolsa de Valores de Moçambique (BVM).

Em parceria com a revista AgriMag e a Confederação Moçambicana das Associação Económicas (CTA), realizou no dia 9 de Agosto, em Maputo, um workshop  sobre o lema“ Oportunidade de Financiamento ao Agronegócio através da Bolsa de Valores de Moçambique”.

O evento tinha como propósito, disseminar informações relevantes sobre o Mercado Bolsista e as suas janelas de financiamento e investimento para empresas do sector do agro-negócio. Estiveram presentes, instituições de promoção do agro-negócio, empresários e investidores, empresas de prestação de serviços de comercialização, investigação, filiados da CTA e entidades estrangeiras ligadas ao sector do Agronegócio.

Durante a sua intervenção, o Presidente da CTA, Agostinho Vuma, fez saber que existe abertura por parte do empresariado para listar-se em Bolsa, e que aproximadamente 20 empresas filiadas a CTA têm interesse em dispersar o seu capital através da Bolsa de Valores de Moçambique. Na ocasião foi anunciado que 5 empresas estão interessadas em admitir-se na Bolsa.

Referiu ainda sobre os benefícios fiscais que as empresas ganham em estar cotadas na BVM, especificamente, a redução das taxas de juro, a isenção em 50% do Imposto sobre Rendimento de Pessoas Colectivas (IRPC) e do Imposto sobre Rendimento de Pessoas Singulares (IRPS). “A Bolsa de Valores constitui uma grande oportunidade para incrementar o investimento na produção Agrícola, suporte de pequenos agricultores e a revitalização da indústria transformadora”, disse.

Por seu turno, o PCA da BVM, Salim Valá, disse que a sua instituição está aberta em apoiar as empresas que desenvolvem actividades no segmento do agro-negócio, e dos esforços em curso, prevê-se que até 2019, 4-6, empresas deste ramo estejam alistadas na BVM. Sublinhou que isso é vital para a economia pois o Governo definiu a agricultura como uma das áreas de concentração.

Na ocasião, Valá enfatizou que as vantagens da cotação em Bolsa extravasam em muito a obtenção de financiamento, são um meio de melhorar a organização e gestão, ampliam a visibilidade das empresas  e sua inserção nos mercados internacionais.

Fotos do Evento



Vídeo do Evento