Bolsa de Valores de Mocambique
ARCO 100,00
ARKO SEGUROS 1.625,00
CDM 49,00
CMH 4.000,00
EMOSE 15,00
HCB 3,00
PAYTECH 3,00
REVIMO ----
TROPIGALIA 90,00
TOUCH 150,00
ZERO 20,00
2BUSINESS 1,00
MWIH ---
RGS AGRO ---
BAYPORT 2019 Série II 19,0000%
BAYPORT 2020 Série I 16,0000%
BAYPORT 2020 Série II 24,3000%
BAYPORT 2021 Série I 22,1400%
BAYPORT 2021 Série II 23,2000%
BAYPORT 2021 Série III 23,2000%
BAYPORT 2021 Série IV 22,82%
VISABEIRA 2020 21,1000%
OT 2005 S2 10,9100%
OT 2017 S6 22,1250%
OT 2017 S7 22,1250%
OT 2019 S1 6.6250%
OT Fornecedores 2019 7,5625%
OT 2020 S6 10,0000%
OT 2020 S8 20,1875%
OT 2020 S10 19,6250%
OT 2020 S11 6,9375%
OT 2021 S1 20,0000%
OT 2021 S2 19,3750%
OT 2021 S3 19,5000%
OT 2021 S4 19,1250%
OT 2021 S5 17,5625%
OT 2021 S6 19,5625%
OT 2021 S7 18,8750%
OT 2021 S8 19,0000%
OT 2021 S10 14,5000%
OT 2021 S11 6,9375%
OT 2022 6,2500%
OT 2022 S1 19,9000%
OT 2022 S2 19,0000%
OT 2022 S3 20,0000%
OT 2022 S3 19,5500%
OT 2022 S4 18,9000%
OT 2022 S5 17,0000%
OT 2022 S6 17,0000%
OT 2022 S7 17,7500%
OT 2022 S8 17,6250%
OT 2022 S9 17,750%
OT 2022 S10 19,0000%
OT 2022 S11 17,5000%
OT 2023 S1 19,0000%
OT 2023 S2 19,0000%
OT 2023 S3 20,0000%
OT 2023 S4 19,0000%
OT 2023 S5 16,0000%
OT 2023 S6 17,0000%
OT 2023 S7 17,0000%
OT 2023 - S8 16,0000%
OT 2023 S9 18,0000%
OT 2024 S1 18,0000%
OT 2024 S2 19,5000%
OT 2024 S3 18,0000%
OT 2024 S4 17,0000%
OT 2024 S5 17,0000%
OT 2024 S6 16,5000%
BNI 2022 S1 20,0000%
BNI 2021 S2 14,20%
BNI 2021 S3 15,0000%
BAYPORT 2022 Série I 21,9900%
BAYPORT 2023 Série I 23,2500%
BAYPORT 2023 Série II 22,0000%
PC BIG-2023-2024 15,5000%
PC BAYPORT 2023 S1 21,0000%
PC BAYPORT 2023 S1 23,7500%
BAYPORT 2023 - Série III 21,5000%
PC BAYPORT 2023 S2 22,0000%
PC MYBUCKS 2023 S1 20,0000%
ZAYA ----
PC ACESS BANK 2023-2024 S2 15,0000%
TRASSUS ----
RGS AGRO ---
Letshego 2023 S1 22,500
Letshego 2023 SII 22,500
Letshego 2023 SIII 22,500
ACESS BANK  2023-2024 - S3 15,0000%
PC FIRST CAPITAL BANK 2024 S1 14,0000%

A Bolsa de Valores de Moçambique (BVM), reforçou

os mecanismos de auditoria e gestão interna, compliance e boa governação corporativa, no quadro das medidas tendentes ao combate ao crime de branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo no país.

A garantia foi dada pelo Presidente do Conselho de Administração da BVM, Salim Cripton Valá, durante a XVIII Conferência Anual do Sector Privado (CASP), que decorreu em Maputo, de 21 a 23 de Junho do corrente ano.

“Perante o perigo iminente, nos últimos anos, temos reforçado os mecanismos de auditoria e controlo, gestão de risco, compliance e boa governação. As sociedades anónimas são obrigadas a registar-se na Central de Valores Mobiliários (CVM), reforçando deste modo os valores de integridade, credibilidade, confiança e transparência nas transacções envolvendo valores mobiliários”, disse Salim Cripton Valá.

A BVM conta, actualmente, com 13 empresas cotadas e uma capitalização bolsista de 177.664,22 milhões de meticais, representando 26 por cento do Produto Interno Bruto (PIB); 249 títulos; e 25.110 titulares registados na CVM.

Num outro desenvolvimento, o PCA da BVM apontou que os desafios enfrentados são enormes, daí que a instituição tem estado a implementar reformas inovadoras com vista à identificação de transacções suspeitas e, igualmente, estar em consonância com outras instituições congéneres internacionais.

A XVIII Conferência Anual do Sector Privado, um evento de três dias, decorreu sob o lema: “Transformação, Inovação e Sustentabilidade para Competitividade Industrial”.

Num outro evento, ocorrido no dia 21 de Junho, Salim Cripton Valá foi convidado a abordar: “O apoio das organizações do sistema das Nações Unidas, do sector privado e da sociedade civil no fortalecimento das instituições nacionais e implementadoras das políticas de comunicação para o desenvolvimento”, durante a primeira Conferência Internacional sobre Comunicação para o Desenvolvimento, co-organizada pelo Gabinete de Informação (GABINFO) e Instituto de Comunicação Social (ICS).

Na ocasião, Valá disse que o ICS deve forjar parcerias fortes, que contribuam para a promoção da comunicação para o desenvolvimento.

Neste sentido, deixou ficar quatro mensagens que podem servir de base orientadora para a materialização deste desiderato: “I – A juventude hoje não conhece o papel e a relevância do ICS, e Moçambique é um país jovem e de jovens; II – Os sucessos e resultados positivos alcançados no passado não garantem, por si, os sucessos no presente e no futuro, mas podem iluminar e inspirar. É vital reinventar e reenergizar o ICS e adequá-lo ao novo contexto”.

Apontou ainda que “III - O lugar e o papel do ICS na comunicação para o desenvolvimento não foi grandemente ocupado pelas novas TIC’s. E ainda há muitas oportunidades que o ICS pode explorar no presente e no futuro; e, por fim, IV - O ICS tem de perceber o que pode vender ao mercado, porque tem valor, entender o que o mercado pretende e adoptar uma abordagem de via dupla (orientar-se pela oferta, mas também pela procura). O ICS pode estabelecer parcerias com o Banco de Moçambique, BVM e ISSM na implementação dos seus programas de educação financeira. A nossa recomendação é que apostem na digitalização”.

Dados actuais indicam que a taxa de bancarização ronda os 34 por cento; a taxa de inclusão financeira é de 48 por cento; e a da penetração de seguros está fixada em 1.96 por cento.

 


  Fotos do Evento