Bolsa de Valores de Mocambique
ARCO 100,00
ARKO SEGUROS 1.625,00
CDM 49,00
CMH 4.000,00
EMOSE 15,00
HCB 3,00
PAYTECH 3,00
REVIMO ----
TROPIGALIA 90,00
TOUCH 150,00
ZERO 20,00
2BUSINESS 1,00
MWIH ---
RGS AGRO ---
BAYPORT 2019 Série II 19,0000%
BAYPORT 2020 Série I 16,0000%
BAYPORT 2020 Série II 24,3000%
BAYPORT 2021 Série I 22,1400%
BAYPORT 2021 Série II 23,2000%
BAYPORT 2021 Série III 23,2000%
BAYPORT 2021 Série IV 22,82%
VISABEIRA 2020 21,1000%
OT 2005 S2 10,9100%
OT 2017 S6 22,1250%
OT 2017 S7 22,1250%
OT 2019 S1 6.6250%
OT Fornecedores 2019 7,5625%
OT 2020 S6 10,0000%
OT 2020 S8 20,1875%
OT 2020 S10 19,6250%
OT 2020 S11 6,9375%
OT 2021 S1 20,0000%
OT 2021 S2 19,3750%
OT 2021 S3 19,5000%
OT 2021 S4 19,1250%
OT 2021 S5 17,5625%
OT 2021 S6 19,5625%
OT 2021 S7 18,8750%
OT 2021 S8 19,0000%
OT 2021 S10 14,5000%
OT 2021 S11 6,9375%
OT 2022 6,2500%
OT 2022 S1 19,9000%
OT 2022 S2 19,0000%
OT 2022 S3 20,0000%
OT 2022 S3 19,5500%
OT 2022 S4 18,9000%
OT 2022 S5 17,0000%
OT 2022 S6 17,0000%
OT 2022 S7 17,7500%
OT 2022 S8 17,6250%
OT 2022 S9 17,750%
OT 2022 S10 19,0000%
OT 2022 S11 17,5000%
OT 2023 S1 19,0000%
OT 2023 S2 19,0000%
OT 2023 S3 20,0000%
OT 2023 S4 19,0000%
OT 2023 S5 16,0000%
OT 2023 S6 17,0000%
OT 2023 S7 17,0000%
OT 2023 - S8 16,0000%
OT 2023 S9 18,0000%
OT 2024 S1 18,0000%
OT 2024 S2 19,5000%
OT 2024 S3 18,0000%
OT 2024 S4 17,0000%
OT 2024 S5 17,0000%
OT 2024 S6 16,5000%
BNI 2022 S1 20,0000%
BNI 2021 S2 14,20%
BNI 2021 S3 15,0000%
BAYPORT 2022 Série I 21,9900%
BAYPORT 2023 Série I 23,2500%
BAYPORT 2023 Série II 22,0000%
PC BIG-2023-2024 15,5000%
PC BAYPORT 2023 S1 21,0000%
PC BAYPORT 2023 S1 23,7500%
BAYPORT 2023 - Série III 21,5000%
PC BAYPORT 2023 S2 22,0000%
PC MYBUCKS 2023 S1 20,0000%
ZAYA ----
PC ACESS BANK 2023-2024 S2 15,0000%
TRASSUS ----
RGS AGRO ---
Letshego 2023 S1 22,500
Letshego 2023 SII 22,500
Letshego 2023 SIII 22,500
ACESS BANK  2023-2024 - S3 15,0000%
PC FIRST CAPITAL BANK 2024 S1 14,0000%

O Presidente do Conselho de Administração (PCA) da Bolsa de Valores de Moçambique (BVM)

, Salim Cripton Valá, defendeu, no passado dia 26 de junho, na Cidade da Matola, que faz todo sentido as empresas da Província de Maputo apostarem em mecanismos alternativos de financiamento via BVM, por ser mais barato, por dispersar o risco e por contribuir para melhor a governação corporativa.

Neste sentido, Salim Valá apontou o Mercado de Capitais e a Bolsa de Valores como solução fiável e capaz de responder aos desafios de liquidez que parte significativa das empresas que operam no mercado nacional enfrenta.

O Presidente do Conselho de Administração da BVM lançou o repto durante a Conferência Empresarial da Província de Maputo, na qual foi convidado a abordar as “Oportunidades de Financiamento para as empresas da Província de Maputo”.

“O sector bancário é aquele que, sob ponto de vista formal, tem estado a conceder mais crédito à economia. Muitos empresários ainda não recorrem ao Mercado de Capitais nem à Bolsa de Valores, para se financiar. As bolsas de valores são para as empresas, os empresários e os investidores, portanto, temos que fortalecer o Mercado de Capitais. Porque se o Mercado de Capitais não fica dinâmico, vibrante e mais amplo, vai afectar a sustentabilidade de todo o sistema financeiro”, disse Salim Cripton Valá.

No entanto, apesar de a BVM procurar, hoje, assumir-se como alternativa de financiamento à banca tradicional, Valá lembrou que há requisitos basilares que devem ser seguidos pelas empresas para admissão à cotação em bolsa. Nessa esteira, pontificam a boa saúde económica e financeira; contabilidade organizada e contas auditadas; bem como a dispersão accionista (serem sociedades anónimas), que, no entender do PCA, não são negociáveis, pois a Bolsa não é uma instituição que “vende caixas vazias”.

A par do Mercado das Cotações Oficiais (para as grandes empresas e o Estado), a Bolsa de Valores de Moçambique dispõe do Segundo Mercado (para Pequenas e Médias Empresas – criado em 2009) e Terceiro Mercado (de incubação), criado em 2019, para as empresas que não reúnem a totalidade dos requisitos exigidos no Mercado de Cotações Oficiais e no Segundo Mercado.

O dirigente da BVM convidou os empresários do ramo de agro-negócios, turismo, transporte e logística, indústria transformadora, tecnologias e construção a usar os instrumentos financeiros disponíveis na BVM. Para tal, precisam de ter a empresa bem gerida, apostar na transparência, ter um projecto viável e estar no escrutínio público.  

Apesar dos sinais de retoma económica, Salim Valá lembrou que as empresas nacionais, com ênfase para as Pequenas e Médias Empresas, vão continuar a ressentir-se dos problemas estruturais e dos choques externos.

“Muitos empresários e investidores, em vários cantos do mundo, quando querem investir em grandes infra-estruturas, equipamentos, novos produtos, usam o Mercado de Capitais, porque é uma perspectiva de médio e longo prazo. O preço do dinheiro é mais barato e é possível dispersar o risco desses investimentos”, sublinhou Valá.

Na ocasião, a BVM e a ACIM rubricaram um Memorando de entendimento, com vista a permitir que as empresas associadas se possam cotar em bolsa, promovendo a melhoria contínua do ambiente de negócios e competitividade da economia nacional, através da provisão de informação financeira e de mercado, para o desenvolvimento sustentável do Mercado de Capitais.

A Conferência Empresarial da Província de Maputo, evento de um dia, foi co-organizada pela Federação Empresarial da Província de Maputo (ACIM) e Bolsa de Valores de Moçambique.

Fotos do Evento